Direções

CONSUMO C O E R E N T E – Por Evelyn Bonorino

Publicado em: 15/11/2013

   


Precisamos, daqui para frente, consumir de forma mais coerente com as nossas aspirações pessoais e sociais, para deixar o sentimento de culpa menos sufocado em nossa mente.


Consumir coerente vai exigir uma longa revisão dos erros praticados, pela indústria, política ou simplesmente você mesmo, e isso implica em mudanças que vão envolver o seu jeito de pensar, de sentir e de agir.

Você pode até estar pronto para praticar um consumo coerente, mas talvez precise esperar a readaptação ou surgimento de alguns produtos que possam substituir os "inadequados" existentes.

Entendo que, a partir do momento em que recebemos a informação sobre o dano que um produto que consumimos e usamos pode causar à natureza, ou até, a quem participou da sua preparação, é que nós nos sentimos incoerentes com a aspiração pessoal que desejamos ter no nosso ambiente social. Certo?


E é nesse momento da recepção da informação que começamos a viver uma contradição consumista, pois posso entrar numa loja de departamento hoje, ver uma etiqueta escrita "produto importado" e ter certeza de que aquela blusa não rendeu mais do $3 ao dono da fábrica , na China, e mesmo assim, eu ficar completamente "louca" pelo modelo e não resistir e comprar. Ao chegar em casa, quando arranco a etiqueta (produto importado), sinto e escuto o martelo do juíza que habita na minha consciência, me decretando CULPADA!


Acredito que precisamos traçar uma nova rotina, que nos absolva desse consumo culpado. Desacelerar o consumo desnecessário já é uma atitude de minimização na conduta.

Na moda, como consumidora, aposto que os primeiros passos, ou melhor, o ponto de partida esteja no ato de pontuar e identificar os gatilhos que nos levam ao ato em si: o de consumir o inadequado e desnecessário.

Na moda, como consultora de varejo de moda, venho afirmando que toda marca deve levar em conta uma produção mais exclusiva e criativa, pronta para alimentar a expectativa do consumidor que deseja saber a origem do produto que vai consumir. Conte a história do processo de desenvolvimento dele, quem sabe as bordadeiras da comunidade podem servir de argumento de compra desse produto? (Se você quiser ajuda nesse sentido, escreva para contato@evelynb.com.br)

Ninguém vai deixar de consumir, mas todos vão mudar a sua forma, e é por isso que deixo aqui a minha reflexão sobre o assunto. Minha vontade de prepará-los para essa nova etapa. Será muito difícil mudar tudo de uma vez, tente aos poucos traçar essa linha de produtos, menos carregados de "sentimentos e histórias indevidas".


O século XXI é marcado comportamentalmente pela palavra ESCOLHA, que se desdobra em SELETIVA. Acredito que um consumo selecionado e indagado faça parte da nova rotina de consumo.


Esse texto foi desenvolvido a partir da leitura do relatório: Trend Briefing novembro de 2013: GUILT-FREE CONSUMPTION – Porque, não sentir culpa é o novo luxo dos consumidores, e o Santo Graal para as empresas.
www.trendwatching.com


Entre em contato pelo e-mail: contato@evelynb.com.br

Comente esta publicação:

Nome:
Mensagem: