Direções

A Crise no Varejo de Moda em 2013 - por Evelyn Bonorino

Publicado em: 01/11/2013

   

2013 é um ano que comerciantes do segmento moda, em geral, querem ver pelas costas, mas muitos não sabem que 2014 vai ser pior! Vamos listar: O ano letivo que será antecipado por conta da Copa do Mundo de Futebol e, em contrapartida, as férias do meio do ano serão mais longas. Teremos que administrar lançamentos de coleção pós- carnaval e os sazonais Dias das Mães e Dia dos Namorados que são os mais esperados depois do Natal, e que continuarão sem o fôlego de 2013.


Este texto não se trata de futurismo, quero ajudar, quero pensar e quero começar a ligar os pontos, que se desconectaram, pois afinal ressalto aqui, que a euforia consumista de 2012 foi uma farsa e muita gente tropeçou nela e se estabacou em 2013, e caiu!


Muitas marcas lutam para solidificar sua gestão com estratégias focadas na captura e "fidelização" de clientes, que se perderam por ai, já que a pesada concorrência dos grandes magazines realmente cresceu, apresentando tendências, com preços mais justos e "atraentemente" num calendário antecipado. Quando digo "atraentemente" me refiro ao simples desejo de algo novo no meio daquela queima total!

Podemos adotar um novo nome para substituir fidelização. Quero passar a usar estratégias de diferenciação, para melhor atender e viver essa nova etapa do varejo de moda.


Para se diferenciar você precisa observar o que está acontecendo nesse exato momento no mercado, coletar o máximo de informações técnicas (política e economia) sobre o futuro, e ouvir atentamente pessoas que atuam em diferentes setores sociais. Essa é a principal dica, pois já foi tempo em que moda vivia em isolamento sócio-político-econômico!

Entretanto, penso que posso repassar alguns sinalizadores para alimentar a sua coleta de dados. Vamos observar com MUITA BOA VONTADE ESSES 4 TÓPICOS INICIAIS.

1. EU FAÇO O MEU ESTILO
A maioria vem tomando cuidado em não revelar a marca que está usando, e em mixar peças caras com baratas; isso não é novidade. O novo é você aceitar que ela não vai se vestir da cabeça aos pés com a sua marca. Aceite esse fenômeno de nova conjugação de vestuário atual, se possível o insira essas características na sua coleção. TENHA UMA BOA VARIAÇÃO DE PREÇOS NA SUA ARARA.


2. EU SOU VOLÚVEL
Completando o seu papel individualista e de criador dos próprios looks, os consumidores atuais aceitam mudanças rápidas de tendências e acabam por exigir das marcas a apresentação desses novos produtos. A maior diversidade de escolha e rotatividade de produtos alimenta o descompromisso com o padrão na hora de se vestir. TENHA, PARA UMA MESMA PEÇA DE BAIXO, NO MINIMO 3 VARIAÇÕES DE USO BEM DIFERENTES NA PARTE DE CIMA OU VICE E VERSA.


3. EU SOU RESPONSÁVEL SOCIAL
Nosso consumidor ainda não está totalmente engajado nessa causa, mas não faltam nem "5 minutos" para ele começar a renegar roupas desenvolvidas em países que, supostamente, desenvolvem produtos de forma escrava. INFELIZMENTE NÃO VOU "FILOSOFAR" NESSA QUESTÃO, DEIXO UMA LACUNA, POIS A SOLUÇÃO ESTÁ BEM MAIS EM BAIXO .... LAMENTÁVEL!

De qualquer forma procure amenizar essa latente questão usando um percentual dos produtos com tag's de origem politicamente correta. TENHO CERTEZA DE QUE ESSE PRODUTO ENVOLVERÁ O CLIENTE A MARCA.

Não estou sugerindo que você finja que é OK, estou pedindo que você comece a se organizar já, porque as coisas vão mudar.

4. EU NÃO TENHO IDADE
O consumidor atual tem esse estado de espírito, seus desejos foram absolvidos e incentivados em livros de autoajuda ou em sessão de terapia. AINDA BEM! Esse comportamento terá um significativo impacto na forma como as marcas vão se comunicar de um modo geral, com ele, - o consumidor.


Aprender a promover um atendimento no ponto de venda sem preconceito será o primeiro passo para conquistar essa nova pessoa que está saudável e só pensa em curtir a vida com look que ela adorou! Pontos como adequação ao tipo físico nesse caso não podem ser abandonados. Estamos falando de pessoas que carregam uma vontade: viver! DESENVOLVA SEUS PRODUTOS PARA A CONSUMIDORA PERSONAGEM QUE VOCÊ QUISER, MAS MANTENHA A PORTA ABERTA PARA AS SEM IDADE!


Estava em San Francisco, de outubro a dezembro de 2008 e pude ver de perto a crise de 2008. Foi assustador o sentimento, o desconforto e a decepção; enfim, o sair da rotina não é comum naquele país em que todos planejam suas carreiras, por exemplo, de forma invejável. Aqui, ao contrário, já estamos acostumados a troca, e é de tipo de crise. Só pontuar aqui o excesso de consumo às vezes dá problema no sistema...........

Desde 2009 venho, através da prestação de serviço de consultoria e planejamento estratégico, estreitar as ações criativas de uma marca com a realidade econômica nacional.

Entre em contato pelo e-mail: contato@evelynb.com.br

Comente esta publicação:

Nome:
Mensagem: