Emporio Armani


Elegância, moderninade para o sportswear. Giorgio Armani conseguiu dar um ar despretensioso ao blazer transpassado em tecidos com padronagens tradicionais como  ‘espinha de peixe’ e ‘príncipe de gales’. Com os blazers em cortes desprendidos do corpo que acompanham a linha dos ombros, bermudas cortadas acima dos joelhos e novos tecidos bem como novas técnicas de acabamento como selamento térmico ajudaram a quebrar o shape estruturado de costume. As bermudas com bainhas duplas, aparentando sobreposição, dão um efeito interessante.

 

Iceberg

“Nós olhamos para Nova Orleans, para a atmosfera da black music, do jazz e do soul,” retrata o estilista Paolo Gerani. Os chapéus já no começo do desfile apresentaram suas inspirações. “Até mesmo as cores, prazeres típicos de la,” apresentam uma bossa na passarela por meio de estampas. Laranjas e azuis misturados, logo em seguida acalmados por uma cartela de azuis e marrons.

 

John Richmond

Com um desfile simples, a passarela contou com jaquetas safari, couro, brilho e botões de madrepérola aplicadas a blazers e camisetas. A cartela de cores conta com preto, branco, khakis e rosas e pontos de amarelo.

 

Gucci

A marca traz uma proposta diferente das outras, que sempre tem como base o sportswear. Frida Giannini fez um desfile impecável, exalando refinamento. Apresentou muitos ternos e blazers de abotoadura dupla, com as calças na altura da canela, e os famosos loafers, sapatos famosos pela marca. Cores se fizeram presente a todo instante, com ocre, verde, tangerina, vermelho e azul,misturando-se a estampas e dando alegria a alfaiataria.

 

Etro


Kean Etro, estilista da marca, colocou na passarela uma verdadeira viagem à Índia com uma cartela de cores inspirada nas variadas cores do céu. Muita sobreposicão em ternos e até mesmo as mais tradicionais vestimentas indianas, como de costume, soltas do corpo, bem fluidas e com a presença de degradês e texturas permeando o desfile.

 

Z Zegna

Paul Surridge, estilsta da marca, diz que a coleção “é sobre lazer, energia e juventude, criando essa energia cinética que falta hoje, aos jovens em particular”. Desconstruindo e reconstruindo o uniforme khaki, utilizando jerseys leves na intenção de apresentar silhuetas joviais inspiradas pelos anos 60.

 

Canali

A marca vem arriscando em novas texturas, mais agressiva e cores mais ousadas. Bomber jackets e biker jackets recebem atenção durante o desfile. Estampas 3D em polos dão uma cara bem moderna aos looks, sem ofuscar as verdadeiras raízes da marca. Casacos e blazers apresentando alfaiataria impecável, junto a estampas com motivos barrocos deram um ar divertido ao desfile.

 

Umit Benan

Na passarela, o estilista colocou oito camas, onde o mesmo número de modelos se vestia enquanto suas namoradas continuavam deitadas. Com um olhar singelo, apresentou looks jovens que iam de românticos a urbano chique. Influências do Punk também aparecem. A silhueta vem ora marcada, ora oversized, com uma estética bem eclética, porém com coerência.

 

Moschino

Se inspirando em Andy Warhol e em todo o movimento da Pop Art, a coleção da Moschino apresenta uma grande variedade de cores e estampas, com muita repetição de padrão. “Eu queria um contraponto a toda estética pesada que vemos em volta, eu queria uma injeção de energia,” disse Rossella Jardini, Diretora Criativa da marca. A estampa com o logo da marca em ternos, apresentando também shorsts coloridos e toques de elegância chamam a atenção.

 

Missoni


Angela Missoni nos leva a um desfile no deserto, com direito até a passarela de areia. tons terrosos dominam o desfile, em safari jackets, bomber jackets e muitas bermudas. O azul entra no desfile remetendo o céu. O casacos sempre leves, alguns carregando estampas, mostram uma proposta despretensiosa e jovial. Mais uma vez, a calça cropped se faz presente.

 

Fendi

A coleção foi apresentada no 31º andar do Pirelli Tower, com direito a apresentação de DJs ao vivo. Deixando de lado o transtorno pelo fato de o prédio apresentar apenas um elevador, a coleção apresenta uma estética bem fresca com um quê futurista. A atenção voltou-se para as peles de enguia, utilizada em shorts e camisetas, enquanto uma jaqueta de couro de crocodilo exalava luxúria.

Compartilhe:

    A Interbrand, autora do relatório anual de Melhores Marcas Internacionais, divulgou uma lista de Melhores Marcas Verdes Internacionais de 2012. A Toyota, Johnson & Johnson e a Honda, ocupam os três primeiros lugares, respectivamente. Em nono lugar, a Danone, depois a Ford, Starbucks e UPS aparecem em outras posições na lista.

    Este ano, as marcas automotivas e tecnológicas dominaram a classificação. A Toyota permaneceu em primeiro lugar e a Nissan entrou pra lista, com o seu Projeto Verde Nissan, um plano de ação ambiental de seis anos. A H&M apareceu pela primeira vez no ranking, ocupando o 46º lugar. A rede de fast fashion chamou a atenção com sua “Coleção Consciente”, fabricada com materiais sustentáveis. A marca também melhorou seu desempenho, diminuindo as emissões de carbono.

    Ao longo dos anos, temos visto grandes marcas de moda se comprometendo cada vez mais com as questões ambientais. Desde 2010, a Levi’s vem produzindo uma linha de jeans que leva a etiqueta Water<Less, diminuindo o desperdício de água durante a produção, reduzindo o impacto ambiental. Em média, 42 litros de água são utilizados pra produzir apenas uma calça jeans e, nessa nova linha, a marca reduziu o consumo de 28% a 96%, dependendo do estilo do denim. A Water<Less chegou ao mercado no ínicio de 2011.

    A Hering, Adidas, a estilista Stella McCartney, a Osklen e a própria H&M, se destacam, entre outras marcas, investindo cada vez mais no algodão orgânico pra produzir suas peças. Cultivado em pequenas fazendas da Índia, Paquistão e República do Mali; onde os agricultores usam menos pesticidas, fertilizantes e água, reduzindo o impacto ambiental do plantio. A Osklen é a principal parceira do Instituto-E e vem fazendo um trabalho com grande relevância na produção de uma moda mais sustentável.

    No ramo dos cosméticos, a PETA (People for the Ethical Treatment of Animal) divulgou uma lista com cerca de 1.500 empresas, que não testam os seus produtos em animais. Entre elas, estão as brasileiras Natura, O Boticário, Granado, Amend e Impala. E as internacionais, Carolina Herrera, MAC Cosmetics, Victoria’s Secret, Michael Kors, Nina Ricci, L’Occitane, Revlon, Payot, Bobby Brown etc. Para ver a lista completa, acesse o site da PETA.

    É bom perceber que o esforço para diminuir o impacto ambiental vem de vários setores da economia e que os incentivos estão cada vez mais maiores para que isso aconteça. Os consumidores estão ficando mais exigentes com a questão da sustentabilidade e a ideia é construir uma consciência global, para acabarmos de vez com essa exploração e desperdício de matéria-prima.

     

    Compartilhe:

      Depois de um atraso de 65 dias, semana passada, em um domingo ensolarado, finalmente foi inaugurado o shopping JK Iguatemi em São Paulo. Com 70.000 visitantes só no primeiro final de semana.

      A nova casa de lojas como, Lanvin, Miu Miu, Bulgari, Prada, Kate Spade, Chanel, Diesel, Hugo Boss, Nicole Miller, Adidas, Lacoste, Zegna, Zara e a tão esperada Sephora, levantou temas como o quão difícil é encontrar profissionais experientes para o mercado de varejo de luxo, especialmente gerentes de loja, os mais importantes nesta demanda.

      Cerca de 20.000 carros formaram filas na Avenida Juscelino Kubitschek para entrar no estacionamento, enchendo as 3.000 vagas disponíveis rapidamente. Em uma calçada perfeitamente lisa – algo bastante raro na cidade – as pessoas passeavam por longos trechos como se estivessem andando Madison Avenue em Nova York. Do lado de fora, eles poderiam facilmente espiar as vitrines da segunda loja Bottega Veneta no Brasil e a primeira Dolce & Gabbana no país.

      Com 7.500 m2, o shopping JK, irá oferecer no 1º mês, serviços sob medida para seus clientes, como personal shopper. Os preços estarão com 30% de acréscimo aos praticados na Europa, mas o que já é considerado um alívio bem-vindo para o público brasileiro, que costumava pagar até 80% a mais em produtos de marcas internacionais.

      “É difícil acreditar que em um dia tão bonito as pessoas preferem vir ao shopping”, disse um vendedor da Burberry, com mercadorias de verão na vitrine. A loja de dois andares, ligados por uma escadaria interior, é um conceito muito novo ainda para shoppings brasileiros.

      No sábado, a praça de alimentação estava tão lotada que o Burger King teve que fechar temporariamente durante as horas de almoço. Eles venderam tanto que tiveram que esperar por reforços para continuar o serviço.

      “Isto é o que as pessoas querem: segurança, conforto e uma sensação de espaço”, disse o gerente da maior loja de Ermenegildo Zegna no país.

      O shopping tem 189 lojas, 60 das quais são marcas internacionais, e 30 novissímas no mercado brasileiro, com a Topshop que antes de abrir as portas, já contava com fila de 150 pessoas. A mercadoria chegou no último minuto, portanto, o que se via na loja de São Paulo, era a mesma coleção disponível no exterior.

      Parte do triunfo do projeto é a arquitetura, o mais discreta possível, optando por off-white nos pisos polidos como uma tela branca feita para deixar as lojas brilharem. Um edifício de vidro que permite às pessoas verem as ruas e arredores, incluindo as 1.200 árvores no Parque do Povo, localizado ao lado e deixando no ar uma certa contradição, seria mesmo o povo do parque o frequentador deste novo grande império de luxo da capital paulista?

      Compartilhe:

        Com o ilustrador certo, um desenho de moda pode comemorar as nuances sutis de um estilo, desenvolver a essência de uma marca e capturar o espírito e a espontaneidade de um designer de uma forma íntima e inigualável, se comparada à uma fotografia.

        Uma ilustração de moda diz muito e sem palavras. Por isso, a Exposição Go Figure no Fashion Space Gallery tem sido tão visitada, recomendada e celebrada. Com curadoria de Ligaya Salazar e Dolzan Polana, apresenta uma lista de novos artistas notáveis, ​​que vêm se destacado no mercado e apresentando uma nova linguagem de se fazer campanhas fashion.

        Com mais de 60 ilustrações escolhidas a dedo, os 13 artistas selecionados para a mostra incluem nomes como Richard Kilroy, Artaksiniya, Tara Dougans, e Laura Laine, e apresentam uma enorme variedade de estilos. Além disso, a revista Slashstroke criou uma série de cartazes para cada artista em destaque, como vemos nas imagens que ilustram este post.

        A Go Figure está na Fashion Space Gallery, em Londres, até dia 14 de julho e vale muito a visita para quem estiver aproveitando os dias de verão da capital britânica.

        www.fashionspacegallery.com

        Slashstroke Magazine

        Compartilhe:

          Bottega Veneta

          O estilista Tom Maier, traz à passarela um hippie, bem luxuoso, dos anos 70 diretamente da California. Roupas fáceis de serem usadas, soltas do corpo mas não chegando a ser oversized, passam a impressão de confortáveis e relaxadas, porém com muito estilo. A cartela de cores mostra muitos tons terrosos e um pouco de vermelho. O pullover teve grande destaque na passarela, de modelos que trazem amarrações no pescoço a modelo com franjas na parte inferior, foi a grande aposta do designer.

           

          
Ermanno Scervino

          Com uma proposta bem comercial, à passarela traz um um sportswear ajustado ao corpo, com muito algodão, ternos de linho com duplo abotoamento e bem amarrotados, muitos detalhes de cor nos cintos e cachecóis, apresentando uma cartela que vai de diversos tons de azul a um tom de areia que chega a um verde e ainda com pontos de vermelho.

           

          Dirk Bikkembergs


          Acostumado a desenvolver roupas ajustadas ao corpo de forma que possa exibir o corpo atlético do seu consumidor, a prosposta desta coleção foi desenvolver um sportswear com classe e elegância. As peças que aparentam quase uma segunda pele, ainda se mostraram presentes na passarela, porém não foram o foco da coleção. O uso de pessas tradicionais, porém com acabamentos diferentes e pontos de cores contrastantes, deram um ar mais casual ao que foi mostrado. “Nessa temporada quero mostrar a direção que a marca esta tomando,” disse Hamish Morrow, estilista responsável pelas coleções masculinas da marca.

           

          Salvatore Ferragamo

          Massimiliano Giornetti apresentou uma cartela de cores baseada nos trabalhos de David Hockney, artista plástico britânico, e looks baseados na Pop Art com muita atitude. Os tênis acompanham as roupas com mix de cores. Com corte preso ao corpo e calças encurtadas, mostra também um pouco de transparência e estampas.

           

          Roccobarocco

          A grife originalmente feminina, resolveu expandir para o masculino. Com um desfile interessante, fresco e colorido, a marca faz uma bela introdução ao novo nicho. Muita pele à mostra, roupas fáceis de serem usadas, despretensiosas, mas que exigem muita personalidade. Apresenta muitos shorts e calças cropped, com a bainha dobrada. Chapéus e bolsas ajudaram a compor o visual relaxado, ótimo inclusive para os verões brasileiros.

           

          Calvin Klein Collection

          Como de costume, a marca traz muitos shorts, calças chino e denim. Comandada pelo designer Italo Zucchelli, a coleção tem a cara do sportswear americano. Com maestria, deu uma cara bem luxuosa e com acabamento impecável às peças mais corriqueiras. Muitos jeans stonewashed, aparecendo até em looks completos, em jaquetas e calças carrot. Atenção para os ternos de algodão cinza para o dia, com uma faixa de cetim para dar um toque especial ao ser usado a noite. O estilista ainda mostrou na passarela blusas oversized, com cortes retos e com estampas florais.

           

          Vivienne Westwood

          Com um ar sutil e romântico, Vivienne Westwood trouxe a passarela o que seriam os looks ideais para um piquenique. Adoradora e defensora da natureza, Vivienne sabe apresentar sua coleção junto a uma forma de alerta. Buscando estampas e modelos em coleções passadas ela atenta a reutilização de pecas. Por meio de acessórios, ela agrega valores ‘naturais’ aos seus ternos, que apresentam bainha na altura da canela e uma variedade de estampas e cores.

           

          Daks

          A marca tradicional inglesa, mostra muita elegância com uma pegada jovem e pontos de cores bem interessantes. Filippo Scuffi, estilista da marca, se utilizou de peças com tradição como trenchcoats, blazer de abotamento duplo e smoking para sua apresentação. Khaki com laranja, cinza e estampas de motivo xadrez permeiam o desfile. Muitos shorts acima do joelho e calças cropped deram um ar jovial aos looks mais tradicionais, compondo com chapéus e bolsas.

           

          Trussardi

          “A intenção era apresentar o mundo Trussardi de modo veranil” disse Umit Benan, que assina a coleção da marca. “Eu pensei no filho mais novo de Nicola Trussardi, Tomaso, recebendo seus amigos de todo o mundo, acordando em uma manhaã de sábado. Eu queria representar os primeiros 15 minutos até que fossem a praia,”  acrescentou. Benan realmente tomou a coleção de forma íntima, visitando a casa de veraneio da familia, fotografando o que lhe chamava atenção. O resultado foi uma coleção requintada porém divertida. Com uma cartela de cores sóbria, apresentou calças cropped e uma linha de pescoço interessante, com alguns acessórios, como lenços e chapéus.

           

          Prada

          Miuccia Prada parece se inspirar no sportswear de 1970, com sandálias de tira de couro, recortes e peças soltas do corpo. Com variedade de cortes, desde camisetas a sobretudos, em uma gama variada de cores, de verde a vinho, passando por um mix de cores em um mesmo look,a coleção de uma forma geral, tem uma pegada vintage. As bolsas box enfatizam ainda mais as inpirações da estilista em tempos passados.

           

          Moncler Gamme Bleu

          Thom Browne apresentou uma coleção focada no outerwear, com estética futurista, ora minimalista. Foco nos casacos fabricados em tecidos impermeáveis,     que nos levam a uma viagem em alto mar. Meias altas, shorts e calças cropped, dão um visual atual a coleção.

           

          Roberto Cavalli

          A coleção de Daniele Cavalli parecia trazer Oscar Wilde e Lorde Byron as passarelas na marca. O estilo Dândi serviu de grande inspiração para a coleção. A intenção de Cavalli e sua esposa, Eva, era de apresentar “excentricidade com masculinidade”, buscando também em David Bowie elementos do glam rock e nas obras de Salvador Dali. Rosas metalizados. camurça em tom verde esmeralda e couro lilás formam a cartela.

          Compartilhe:

            A Band of Outsiders, marca nascida na Califórnia em 2004, conhecida por ser inovadora e cool, está transmitindo online em tempo real, desde ontem, 27, sua apresentação da coleção de Primavera 2013.

            O desfile terá a extensão de 60 horas, terminando no próximo dia 29. A exibição conta com apenas um modelo que está exposto em uma pequena vitrine anexada a uma galeria de arte em uma rua, até então desconhecida, de Paris.

            A cada 90 minutos há uma troca de roupa, no período que se dá entre 9h e 21h (Horário de Paris/GMT +1). No momento em que ele deixa o ambiente, uma foto lhe é tirada, e o look é trocado.

            Abaixo, as regras do desfile/exposição feitas pela marca:

             

            Compartilhe:

              Fluo VS. Pastel

              junho 28th, 2012 | Posted by Vivian Braga in Design | Inspiração | Tendência - (3 Comments)

              A tendência do mix entre pastel e cores fluo continua nesta temporada, e não só na moda. A dupla Floor Knaapen e Anne-Sophie Markus se juntaram para desenvolver uma linha de mobiliário que integra design e moda, através destes elementos da cultura contemporânea.

              As imagens publicadas na revista Eigen Huis & Interieur Magazine, mostraram um ponto de vista bem interessante sobre o mix de produtos assinados por influentes designers, e abrangem uma produção autoral entre luminárias, texturas, tecidos, e cadeiras multicoloridas. Vale lembrar que, no Fashion Rio, temporada Primavera/verão 2013, as combinações de tons fluo com pastel foram hit em desfiles de marcas conceituadas como a Espaço Fashion.

              Mistura eletrizante de humor e vivacidade!

              Compartilhe:

                Depois de fazer para a Prada divertidos gifs animados, Vahram Muratyan teve uma ótima notícia. Devido ao sucesso dos gifs animados para a campanha de acessórios da grife, o designer gráfico Muratnyan agora terá sua arte estampada em t-shirts. Para quem não viu, a campanha da Prada primavera/verão ganhou divertidas ilustrações:

                Além dos desenhos utilizados na animação, ilustrações inéditas também entraram na limitada coleção de camisetas. Os modelos são divertidos e com pegada retro, totalmente inspirada na década de 1950, tema principal da coleção primavera/verão 2013 da Prada.

                As camisetas estarão à venda nas lojas Prada no meio de julho e custará em média €150 (cerca de R$ 430).

                 

                Compartilhe:

                  Corneliani


                  A marca italiana apresentou na passarela mais uma vez um sportswear com um toque de alfaiataria e conjuntos com muita textura. Como já de praxe, muitos tons terrais na cartela de cores. Destaque para a malharia e para o couro. De jaqueta com ar safári ao blazer feito em tecido vazado. Quebrando um pouco a imagem do tradicionalismo, apresentou diversos ternos leves, mais relaxados, e lapela mais larga com ar de elegância despretensiosa.

                  Jil Sander


                  Após sete anos, a estilista que carrega o nome da marca, volta às passarelas. Apresentando um desfile com espírito jovem, moderno, e preciso. A peça principal foi a jaqueta alongada, com ou sem mangas, acompanhada por calças fitted com bainha alta e bermudas largas.  Sweaters com bolsos supersized com mistura de cores. Ternos em tom vinho e khaki e estampas abstratas, reflexo do trabalho de Sander na Uniqlo. Mais uma vez a estilista nos mostra o poder do minimalismo.

                  Ermenegildo Zegna

                  A casa optou por fazer um verão diferente e sair da sua zona de conforto. A coleção veio um tanto eclética, com estampas aplicadas a ternos e motivos tropicais. Tons terrosos, cintura alta e lapela larga (onde percebe-se um toque de anos 70), passando por uma cartela navy e tons de vermelho. Em uma tentativa de suavizar a alfaiataria sempre muito forte em suas criações, bolsas grandes e tecidos vazados dão um aspecto de leveza e frescor junto às sandálias.

                  Costume National Homme

                  “Eu a chamo de ‘Safari New Wave’,” diz o estilista Ennio Caspa no backstage antes do desfile começar. Sempre com uma pegada rock’n’roll, na passarela trouxe uma cartela de cores que vai do khaki ao preto, passando por estampas étnicas. Transparência, cintura alta, drapês e detalhes, como os sapatos que viram sandália ao abrir o zíper preso à sola. Tecidos inteligentes são ponto forte da coleção, trazendo jaquetas que pesam menos de 100 gramas.

                  Dolce & Gabbana

                  A dupla continua na onda nostálgica que os tem guiado pelas últimas coleções. Buscaram no “homem siciliano sua personalidade, simplicidade e beleza natural”, como postaram no twitter, inspiração para a coleção. O casting, selecionado nas ruas, teve como função apresentar as diversas faces desse homem, representando verdadeiros personagens, de estudantes a ‘trogloditas’. As listras permeiam todo o desfile. Mais uma vez, calças com a bainha dobrada, mostrando o tornozelo.  Blusas oversized, estampas e vintage, fazem da coleção um verdadeiro espetáculo.

                   Frankie Morello

                  O estilista buscou inspiração em Romain Gravas, diretor grego, Apresentou uma moda street, trazendo elementos do skateboarding e uma atitude gângster, bem hip hop. Muitos metalizados e correntes. A coleção traz roupas bem soltas do corpo e muitas estampas. A cartela de cores se faz de preto, branco, dourado, cinza e cobre, em couro, malhas, jersey e até mesmo em seda.

                  Burberry Prorsum

                  Da competência de Cristopher Bailey a gente não duvida. O mais incrível é o modo como ele consegue continuar a nos surpeender. Muito metalizado, ora aplicado a uma essência vintage, ora a sandálias, traz estampas étnicas e uma cartela de cores bem variada.  A alfaiataria se faz presente em todo o desfile. As bomber jackets se mostram peças fundamentais, que inclusive já estão a venda.

                  Les Hommes

                  Atualidade e tradicionalismo. O resultado do encontro de ambos, pelo olhar da dupla Tom Notte e Bart Vandebosch, foi apresentado nas passarelas. Fazendo o tão tradicional smoking parecer descolado, despretensioso e com um ar bem jovem, a coleção se mostrou, um tanto quanto desconexa, devido a cartela vasta de cores, estampas, tecidos e estampas que não foi bem sucedida na hora da composição dos looks. Atenção para a calça sobreposta por uma bermuda.

                  John Varvatos

                  Conhecido por por trazer uma moda casual, surpreendeu mostrando muita elegância. “A melhor coisa em ser um designer é poder fazer o que quer, e tentar manter-se interessado” disse o estilista. White Duke e Brian Jones foram as grandes inspirações. A influência do Rock continua presente, porém, sob uma outra estética, refinada. Todos os looks apresentam gravata. O designer justifica a surpresa, “uma elegância pouco conhecida pelos mais jovens, pois nunca se arrumaram tanto”.

                  Neil Barrett

                  Na passarela, apresentou muita fluidez, porém, com certa virilidade. “Eu tenho que fazer as coisas de forma masculinizadas,” diz o estilista. O fato de começar o processo de desenvolvimento de suas coleções pela escolha dos tecidos,  garantiu um resultado impressionante ao caimento das peças. Traz interferência esportiva, fazendo releitura de shorts de basquete, as bomber jackets e camisas de baseball.

                  Versace


                  A marca apresenta um gladiador, guerreiro com ar de boxeador e até mesmo gângster, e isso tudo em apenas uma coleção. Alfaiataria, muito underwear e metalizados. A cartela de cores é bem variada, passando por estampas florais. Mais uma vez, as bomber jackets marcam presença, assim como os paletós sem manga. A coleção promete levar a marca ao pódio.

                  Carlo Pignatelli

                  Na passarela, alfaiataria, feita em tecidos com bastante brilho, uma cartela de marrons e dourados,com pontos de rosa e perola. As calcas cropped marcam presença. Ora com estetica pirata, ora com estética  árabe.

                  Compartilhe:

                    Resort 2013

                    junho 27th, 2012 | Posted by Camila Felix in Desfiles - (0 Comments)

                    Prada

                    O resort da Prada veio com referências esportivas, inspirada nos uniformes dos jogos de tênis, na década de 70. Os modelos lembram os personagens Margot e Richie Tenenbaum, do filme de Wes Anderson, com as calças mais soltinhas, peles e as faixas na cabeça das modelos. Completando o clima, bolsas quadradas e sandálias. Na cartela de cores, preto, branco, cinza, bordô, rosa, azul e nude.

                    Alexander McQueen

                    Sarah Burton também foi até os anos 70 buscar inspirações para o resort da grife, só que a grande referência da estilista foi o cantor David Bowie, ícone da geração. Além de Bowie, as pinturas de Gustav Klimt também serviram de inspiração para essa coleção, que vem cheia de terninhos bem femininos e cintura marcada com cintos largos. Depois de passar algumas temporadas desfilando vestidos dos sonhos de qualquer mulher, Sarah mostra nessa coleção que sabe valorizar o corpo feminino, mesmo quando as referências são masculinas.

                    Diane von Furstenberg

                    Para o resort 2013, Diane se inspirou nos arranha-céus de Nova York, no pôr-do-sol da Califórnia e nos jardins saturados do Sul; o resultado é uma coleção vibrante e feminina, que já característica da estilista. Estampas florais e geométricas ganharam formas mais soltas, em tecidos leves como a seda. Para os cabelos e atitude, a referência veio do Rockabilly, estilo musical que nasceu no estado de Memphis. A cartela é bem rica, com tons de azul, laranja, rosa, marrom, verde, nude, vinho, preto e branco.

                     

                    Compartilhe: