fs-vivienne-westwood

Vivienne Westwood lançará biografia escrita em parceria com Ian Kelly. A obra reunirá memórias pessoais e profissionais da estilista inglesa, e contará com ilustrações e fotos memoráveis.

O fotógrafo responsável pelas imagens do livro é amigo íntimo da Vivienne e de seu marido e foi responsável pelas últimas campanhas publicitárias da marca.
“As fotos que ele fez de mim tem tudo a ver comigo, elas realmente refletem o que eu acho que eu pareço, e ainda assim elas também me monstram um novo olhar sobre eu mesma”, disse a designer. O lançamento está previsto para 09.10.

Compartilhe:

    HARD DAY´S NIGHT

    julho 9th, 2014 | Posted by Aline Carneiro in Biografias | Cinema | Música - (0 Comments)

    Beatles

    Não, nunca houve uma banda musical como os Beatles. Além das eternas músicas, o quarteto de Liverpool se destacou pelo grande furor e comoção que causava a cada passagem ou disco lançado ao redor do mundo. Tornaram-se tão icônicos que tudo o que faziam virava moda – mais do que isso, foram referência para os anos 60.
    Para os saudosos e também para aqueles que desejam vivenciar e conhecer mais os bastidores do grupo, acaba de ser relançado nos Estados Unidos o filme Hard Day´s Night, após 50 anos de sua primeira apresentação nos cinemas. O trailer do sucesso, agora remasterizado, está aqui: http://www.youtube.com/watch?v=ypMh1pW1RdE.

     

    Compartilhe:

      pwldm3

      Com menos de dois anos na Christian Dior, Raf Simons já é o protagonista do documentário “Dior et Moi”, dirigido por Frédéric Tcheng. O diretor é o mesmo de outros dois filmes importantes para a moda: “Diana Vreeland: O olhar tem que viajar” e “Valentino: O último imperador”.

       

      Em “Dior et Moi”, o público poderá ver os bastidores do trabalho de Simons e sua equipe durante as oito semanas de produção da sua primeira coleção de alta costura para a grife, em 2012. O fashion film já tem estreia marcada para o Tribeca Film Festival, em abril.

       

      Compartilhe:

        Este ano, a marca Saint Laurent – que perdeu o Yves após a entrada do novo director criativo Hedi Slimane no ano passado – estará no centro das atenções do mundo da moda, com duas biografias do lendário designer sendo lançadas.

        Estreou na quarta-feira (dia 8), na França, ‘Yves Saint Laurent’, que recebeu a bênção oficial de Pierre Bergé parceiro do couturier na vida e nos negócios, meses antes de um filme biográfico rival que Bergé jurou fazer tudo em seu poder para “proibir”.

        O jornal britânico The Telegraph afirma que ‘YSL’ – que retrata desde sua estreia como assistente de Christian Dior em 1957, até 1976, o ano da sua lendária coleção Opéra-Ballets Russes – é arrepiante em sua precisão, tanto na parte visual como na física. Para captar bem a voz e os maneirismos de Saint-Laurent,  o ator de 24 anos Pierre Niney assistiu obsessivamente entrevistas antigas do designer, que morreu em 2008. Niney teve aulas de design de moda, costura e desenho, mergulhou nos arquivos da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent, e passou horas com Audrey Secnazi, um ilustrador que trabalhou com Saint Laurent por mais de uma década.

        O apoio de Bergé não foi só moral, mas também prático: sua fundação emprestou à produção 77 peças de seus arquivos e autorizou o cineasta Jalil Lespert a filmar algumas cenas em sua sede, na Avenida Marceau em Paris, onde o estúdio de Saint Laurent permanece intacto e pode ser visitado através de agendamento prévio. Entre as roupas vistas no filme estão criações da primeira coleção de Saint Laurent com sua assinatura, de 1962; vestidos Mondrian, de 1965, e peças da Coleção 40, que provocou um escândalo em 1971 com itens inspirados na Segunda Guerra Mundial como um casaco verde de ombros largos de pele de raposa .

        Bergé exaltou o trabalho de Lespert – baseado em grande parte em uma biografia de Saint Laurent escrita por Laurence Benaïm e em memórias do próprio Bergé em seu livro “Cartas a Yves” – por mostrar diversos lados da vida do casal e do designer, bem como seus problemas com drogas e álcool.

        O lançamento de quarta-feira vem após uma batalha de dois anos com ‘Saint Laurent’, um filme dirigido por Bertrand Bonello, que recebeu o aval do dono da marca Yves Saint Laurent, François Pinault, para usar logotipo e vestimentas em posse da empresa. Com lançamento previsto para o Outono europeu, a produção foi avisada por Bergé que ele processará por reproduções não autorizadas de vestidos de Saint Laurent ou esboços.

        Confira abaixo o trailer de ‘Yves Saint Laurent’, infelizmente ainda sem data de estréia no Brasil.

         

         

        Compartilhe:

          Documentário: Looking for Kate

          janeiro 3rd, 2014 | Posted by Camila Felix in Biografias - (0 Comments)

          kate

          Prestes a completar 40 anos, a top Kate Moss vai ganhar uma bela homenagem do canal francês Paris Premiére, que exibirá no dia 12 de janeiro um documentário sobre a vida da modelo. Intitulado “Looking for Kate”, o filme fala sobre os altos e baixos da vida de Kate no trabalho e no âmbito pessoal, numa história cheia de mistérios. Além disso, o doc conta com entrevistas com amigos e colegas de trabalho da bombshell, como Isabel Marant, Paolo Roversi e Peter Lindbergh.

           

          Compartilhe:

            tumblr_m7fu2wYisW1qz9qooo1_1280

            Os fãs de Vivienne Westwood podem ficar felizes, pois a designer vai lançar em outubro do ano que vem a sua biografia. Ela mêsma está preparando o livro ao lado de Ian Kelly, escritor de biografias renomado.

             

            “Os vivos merecem respeito Os mortos merecem a verdade. Ian e eu estamos trabalhando juntos nisso e estou animada, pois esta vai ser a minha história, a história que ninguém nunca fez antes “, disse Westwood em entrevista à Vogue.

             

            O livro incluirá contribuições de amigos e da família de Vivienne, além de contar a sua trajetória desde quando era professora primária, até se tornar uma das designers mais famosas do mundo da moda.

             

            Compartilhe:

              65_cover

              De 1962 a 1971, Diana Vreeland foi a porta voz da Vogue americana, e pouco se sabe da sua vida privada ou sobre seu processo criativo. Em 2011, foi lançado o documentário “Diana Vreeland: The Eye Has to Travel” e assim, pudemos conhecer um pouco mais sobre esse ícone da moda internacional. Agora, o livro “Memos: The Vogue Years”, acaba de ser lançado com edição de Alexander Vreeland, neto e presidente da “Diana Vreeland Estate”. O livro possui mais de 250 páginas e e é tão divertido quanto esclarecedor!

               

              Compartilhe:

                Biografia: Robert Mapplethorpe

                setembro 12th, 2013 | Posted by Camila Felix in Biografias - (0 Comments)

                279632

                Poucos artistas conseguiram definir uma era e uma forma de arte como Robert Mapplethorpe, cujas polaroids belas e subversivas caracterizam o glamour e a loucura de Nova York nas décadas de 70 e 80. Seus personagens são figuras badaladas como Grace Jones, Andy Warhol, Arnold Schwarzenegger e Patti Smith, sua maior musa inspiradora. As imagens são viscerais e documentam a cena gay em expansão na cidade, seu trabalho é um marco na representação da identidade, fetiche e desejo.

                A partir desse mês, em Londres, a exposição “Fashion Show” mostra um novo ângulo sobre o trabalho de Mapplethorpe, como um jovem fotógrafo que trabalhou para Karl Lagerfeld, Loulou de la Falaise, Marisa Berenson e Yves Saint Laurent, além de fotografar para as edições francesa e italiana da Vogue. Na mostra, vemos o estilo e a forma que influenciaram seu trabalho na moda e em outros caminhos. O livro “Mapplethorpe Polaroids” também será publicado com curadoria de Sylvia Lobo, reunindo suas polaroids mais icônicas.

                279635 279638 279641 279644 280399

                Compartilhe:

                  Biografia: Diana Vreeland

                  setembro 5th, 2013 | Posted by Camila Felix in Biografias - (0 Comments)

                  Diana-Vreeland-David-Bailey-Diana Vreeland por David Bailey

                  Diana Vreeland foi um grande ícone da moda internacional, onde atuou como colunista e editora de duas grandes revistas: Vogue e Harper’s Bazaar. Conhecida por sua criatividade ilimitada e temperamento forte, Vreeland mudou a maneira de pensar sobre moda nos anos 60, quando assumiu o cargo de editora-chefe na Vogue americana, onde trabalhou até 1971. Neste período, ela revolucionou os métodos do jornalismo de moda mostrando novidades e tendências, sempre com seu apurado senso crítico, transformando a Vogue na revista de moda mais importante do mundo.

                  Seus editoriais eram sempre um espetáculo a parte, com fotos do seu grande parceiro Richard Avedon, revelando importantes ícones da moda, como Twiggy, Marissa Berenson, Cher, Barbra Streisand e Anjelica Huston. Segundo Vreeland, “O biquíni foi a invenção mais importante deste século depois da bomba atômica”. Para conhecer melhor a história dessa grande mulher, assista o documentário “Diana Vreeland: The Eye Has to Travel”, que conta com depoimentos da própria, além de imagens com Andy Warhol, Diane Sawyer, Calvin Klein, Diane von Furstenberg entre outros nomes falando sobre a influência de Vreeland no mundo da moda.

                  Abaixo, fotos e o documentário na íntegra.

                  Captura de tela 2013-09-05 às 13.14.39 Captura de tela 2013-09-05 às 13.15.45 Captura de tela 2013-09-05 às 13.16.05 Captura de tela 2013-09-05 às 13.16.25

                   

                   

                  Compartilhe:

                    Como vimos na semana passada, as imagens da campanha da coleção cápsula da Maison Martin Magiela para H&M começaram a ser liberadas aos poucos, causando grande sensação para os fãs da rede de fast fashion, fãs do estilista e grandes admiradores da moda. Tudo isso, porque é a primeira vez que a Maison faz um trabalho tão aguardado pela massa.

                    Martin Margiela se lançou no mundo da moda em 1989, com uma coleção que desafiou o mercado de luxo pela sua pegada grunge,  técnicas de reciclagem e desconstrução da modelagem, de forma inteligente e sem perder a elegância. Portanto, o seu trabalho foi rejeitado, sofrendo pesadas críticas dos meios de comunicação. Desde então, Margiela quase nunca era entrevistado ou fotografado.

                    O designer nasceu na Bélgica, em 1957, e decidiu trabalhar com moda ao assistir uma entrevista com Paco Rabanne e André Courrèges. Estudou na Royal Academy of Fine Arts, na Antuérpia e hoje é membro honorário de “Antwerp Six”, grupo pioneiro de designers que estudaram na academia, ao lado de Ann Demeulemeester e Dries Van Noten.

                    Em 1984, Margiela foi para Paris e começou a trabalhar como assistente de Jean Paul Gaultier, mais tarde trabalhou na Hermés, em 1997. No ano de 1988 fundou sua marca de mesmo nome e em 2002, a Maison Martin Margiela tornou-se empresa pública com participação majoritária da Diesel Group, do empresário Renzo Russo. Em 2009, Margiela se demitiu do cargo de diretor criativo da Maison por discordar da nova gestão, alegando que sua autenticidade e exclusividade estavam morrendo para que sua marca se tornasse conhecida mundialmente.

                    A trajetória do estilista reflete bem a crise de identidade que as marcas sofrem diante dessa correria para expandir mercado. A parceria da Maison Martin Margiela com a H&M já garantiu que a marca ficasse conhecida nos quatro cantos do mundo, porém não restam dúvidas de que Margiela não estaria de acordo com isso se ainda fosse o diretor criativo da marca.

                    Na galeria abaixo, veja as imagens do lookbook e da campanha para a H&M.

                     

                    Compartilhe: