Os dois irmãos, Bem e Harry Tucker, decidiam trazer a tendência da reciclagem para o mundo dos acessórios de viagem. A marca de bagagens de luxo “Plane” tem uma coleção feita com os tecidos dos acentos de aeronaves antigas.

É comum reciclar roupas e outros materiais, porém, pouco se recicla no que diz respeito à partes de aviões. Esse tipo de tecido descartado é ótimo para a produção de bagagens pois tem super resistência ao calor e manchas, além disso, o tecido é consideravelmente leve e apresente uma excelente durabilidade.

Texto_Plane2

 

Cada item da coleção terá as iniciais do comprador gravada, assim como estatísticas médias de jornada de aviões antigos. Essas estatísticas incluem dados como a quantidade de milhas voadas, número referente a altitude voada e também a quantidade de países visitados.

O objetivo dos designers é provar que o luxo pode estar sim associado a sustentabilidade. Qualquer pessoa pode achar os acessórios disponíveis para compra no “Kickstarter”.

PLANE: https://www.planeindustries.co.uk/

Texto_Plane1

 

 

 

 

 

 

Compartilhe:

    giovare

    Pensando num meio de manter organizado os objetos diários dentro das bolsas, os designers da Giovare criaram a mais nova clutch direcionada para esse objetivo. A idéia veio de uma situação que um dos próprios designers enfrentou, que estava em viagem e percebeu que seus pertences estavam desorganizados e jogados dentro da bolsa, onde até mesmo encontrar o seu par de fone de ouvidos era difícil!

    Confeccionado com grãos de couro Nappa e materiais de alta qualidade, a clutch bag possui um interior dividido por compartimentos que permitem que o consumidor, seja profissionais de trabalho ou viajantes, seja o mais criativo e organizado possível para manter seus objetos e utilitários em ordem.

    Assista o vídeo: https://www.youtube.com/watch?time_continue=136&v=J4wFhip-Tcg

    Compartilhe:

       

       

      calçados

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

      Atualmente, o setor calçadista vem apresentando certas tecnologias como calçados impressos em casa e tênis energizados ao caminhar, apesar de ser em pequena escala. No entanto, o setor brasileiro quer dar uma guinada em termos de inovação tecnológica para aplicar a manufatura avançada no segmento, tanto para o desenvolvimento de produtos recém produzidos, como os citados, como para novos produtos que estão por vir, mais sustentáveis e eficazes.

      Em janeiro deste ano, a Abicalçados, Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, entidade que representa a indústria calçadista nacional, recebeu na sua sede, em Novo Hamburgo/RS, diversos representantes de outras agências ou associações envolvidas com couro e calçado. No encontro, o tecnologista do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), Sérgio Knorr Velho, apresentou alguns cases de manufatura avançada já existentes no setor calçadista, mas que ainda caminham a passos lentos. Segundo ele, existe um processo de “retorno para casa”, onde parte das grandes marcas vão deixar de ser menos intensivas em trabalhos manuais e mais automatizadas. “Atualmente a produção mundial está na casa dos 22 bilhões de pares de calçados, sendo quase 90% realizada na China. Boa parte dessa produção deve voltar para os locais onde é consumida”.

      A Nike, por exemplo, está para abrir uma planta com 10 mil funcionários nos Estados Unidos e a Adidas prometeu abrir uma fábrica automatizada na Alemanha ainda em 2016. O especialista citou ainda uma pesquisa realizada em maio de 2014, onde dos 618 produtores norte-americanos entrevistados, 53% se disseram dispostos a investir em processos de manufatura avançada nos próximos anos.

      O setor industrial brasileiro ainda se encontra muito atrasado em termos de inovação e tecnologia na produção, segundo Sérgio Knorr. Das mais de um milhão de patentes requeridas no mundo em 2015, apenas 600 foram no Brasil, colocando o país no posto de 29º entre os  demais requerentes. Em relação aos BRICS, o país se encontra à frente somente da África do Sul, sendo a China a maior do grupo, possuindo mais de 120 mil requerimentos.

      Compartilhe: