O designer holandês Lucas Ossendrijver está completando este mês dez anos na direção criativa das coleções masculinas da marca francesa Lanvin. Para comemorar, o designer concebeu uma coleção especial nomeada Les 10 ans (os 10 anos, em português), composta por três pares de tênis, uma mochila, um suéter e uma camiseta, nas cores branca e preta. As peças chegaram às lojas na última quarta-feira, dia 7, como anunciou a grife em sua conta no Twitter.

lanvin2 lanvin3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ossendrijver, de 46 anos, depois de estudar na Escola das Belas Artes de Arnhem, na Holanda, trabalhou com Kostas Murkudis e depois na divisão masculina da Kenzo, em 1997. Em seguida, passou quatro anos na linha masculina Christian Dior sob a supervisão de Hedi Slimane. Antes de entrar no cargo de direção criativa, o designer trabalhou primeiro com Alber Elbaz, estilista israelense da Maison Lanvin em Paris.

lanvin

Lucas Ossendrijver

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ao longo das suas temporadas na marca francesa, ele modernizou a divisão masculina, construindo uma silhueta elegante e ao mesmo tempo descontraída. Entre a herança das características da Lanvin e suas próprias inspirações, criou um vestuário sensual e exigente.

Compartilhe:

    +¦culos jeans

     

     

     

     

    Uma empresa sediada no Reino Unido dá um novo propósito ao jeans descartado e o reutiliza como matéria prima para a construção de óculos.

    A marca “Mosevic” está se desviando dos óculos tradicionais e criando óculos feitos de jeans reciclado. O cofundador e principal designer Jack Spencer quis projetar uma gama de óculos inovadores e decidiu que uma boa maneira de fazer isso seria “brincando” com diferentes materiais.

    A empresa acredita que seus óculos de sol são feitos de algo mais forte do que o plástico. Para projetar os óculos, as camadas de denim são pressionadas nos moldes, obrigando o material a ficar no lugar e um par de óculos de sol passa por um processo de duas semanas.

    As lentes de seus óculos de sol vêm da “Zeiss”, uma empresa bem conhecida por seu produto de qualidade superior. A mais recente coleção de óculos de sol chamado de “Worn” (algo como “gasto” em português) são feitos inteiramente usando jeans velho e a mão, fazendo com que todos os óculos de sol sejam totalmente exclusivos.

    +¦culos j +¦culos

    Compartilhe:

      mini_fluid_fashion-1-916x644-1

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

      A linha de automóveis MINI lançou uma linha fashion na Pitti Uomo de 2016 em Florença, na Itália. Essa feira é evento chave para o mundo fashion masculino, porém o envolvimento da  MINI tinha como objetivo atrair ambos os sexos.

      O MINI Fluid Fashion Capsule Collection foi criado por cinco designers de nacionalidades distintas. Hien Le (Alemanha), Agi & Sam (Reino Unido), Études Studio (França), Sankuanz (China) e Sunnei (Itália) deram seus toques pessoais nos moletons desenvolvidos pela MINI. O moletom foi escolhido como peça de roupa democrática que poderia ser usada tanto por mulheres quanto homens.

      A coleção exibida no MINI Fluid Fashion Pavilion continha peças de cada um dos designers envolvidos no projeto. Apenas 200 exemplares de cada designer será produzido, fazendo com que as peças tenham uma pegada de exclusividade. Os moletons sem gênero podem ser encontrados apenas na loja online Luisa Via Roma.

      mini_fluid_fashion-2 mini_fluid_fashion-6

      Compartilhe:

        spfw-133-1080x717

         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

        A era digital em que vivemos hoje em dia tem tornado tudo acessível e para todos e, por conta disso, o modelo de desfiles, focado para a indústria, não tem funcionado mais. Em fevereiro deste ano, a Burberry anunciou um novo posicionamento em relação aos desfiles de sua marca: as roupas desfiladas estarão à venda para seus clientes no fim do desfiles, tornando os fashion shows focados para o consumidor.

        O motivo dessa mudança é que as roupas desfiladas ficavam disponíveis para compra somente seis meses após elas terem sido apresentadas, postadas nas redes sociais e com os clientes desejando elas. Por exemplo: no início desse ano, foram apresentadas as coleções de Alta Costura e de Prêt-a-Porter do inverno 2017 nos principais polos internacionais da moda (Nova York, Paris, Milão e Londres), só que essas cidades ainda estão vivendo o inverno de 2016, com as suas coleções apresentadas no ano passado. E elas ainda terão o verão 2016. Com isso, a Burberry anunciou a sua mudança, visando a necessidade do consumidor, que quer possuir tudo para ontem!

        O mesmo acontece no Brasil, só que invertido. Em abril vai começar o SPFW e as outras semanas nacionais, com as tendências para o verão 2017, só que nós ainda temo todo o inverno pela frente. Por conta disso e diante dessa mudança internacional, que outros designers também passaram a adotar, o Brasil, a partir de 2017, também terá um novo calendário oficial da moda, com as edições do SPFW ocorrendo em fevereiro e em julho, sem estação específica. A próxima edição, que ocorre entre 25 e 29 de abril, já sem estação, deixará cada marca trabalhar da forma que desejar.

        O ideal é que no ano que vem as coleções desfiladas estejam nas lojas em pouco tempo, com showrooms realizados para os compradores para facilitar a distribuição e com a antecedência necessária. Este movimento, liderado pela Semana de Moda de Nova York, procura a adaptação da nova realidade do consumo, que possui o conceito “see now, buy now”.

        Compartilhe:

          vs2

          A modelo escalada este ano foi a americana Lily Aldridge, que vai usar um conjunto de sutiã e cinto, avaliados em dois milhões de dólares. O conjunto foi confeccionado pela companhia Mouwad, com mais de 6.500 gemas de 14 tipos diferentes. Batizado de “Fireworks Fantasy Bra”, o sutiã é bordado com safiras amarelas e topázio azul, além de diamantes, com um peso de mais de 375 quilates. As pedras vão estar sobre uma base de ouro de 18 quilates. O sutiã, que estará ligado por uma corrente a um cinto foi confeccionado com 126 diamantes e outras 400 pedras preciosas e  levou 685 horas para ficar pronto.

          No ano passado, as brasileiras Adriana Lima e Alessandra Ambrósio foram as modelos chamadas para levar àpassarela do desfile, realizado em Londres, o “Fantasy Bra”, em cores vermelho e azul anil. Todos os anos, sendo apresentado por uma modelo diferente, o sutiãde pedras preciosas ésempre a peça mais aguardada da coleção, fazendo disso uma tradição da Victoria’s Secret. Este ano, celebrando seu vigésimo aniversário, o desfile retorna àNova York e serárealizado no dia 9 de novembro

          Compartilhe:

            6105_101_PR_sRGB_300

            Em parceria com a modelo Kendall Jenner, a fast fashion sueca H&M lança hoje a desejada e tão esperada coleção elaborada com a maison francesa Balmain. Ás vésperas do lançamento, o vídeo completo da campanha foi lançado na internet atingindo milhares de visualizações em minutos. Em um mundo futurístico, Kendall estrela em três intensas batalhas de dança, juntamente com dançarinos profissionais, no meio de um metrô. Com looks diferentes em cada cena, o vídeo mostrou um pouco do que é a coleção: um mundo de riqueza, atitude e energia misturado com elegância urbana.

            O designer da Balmain, Olivier Rousteing é um dos estilistas mais novos a ocupar tal cargo em uma grife tradicional. Ele também estréia no vídeo, conduzindo os trens através de telas touchscreens.

            Confira o vídeo completo da campanha:

            Compartilhe:

              Muitos fãs de Wes Anderson ao assistirem o filme “A viagem para Darjeeling”  suspiraram com o conjunto de malas do filme, feitas em couro marrom com desenhos de coqueiros e animais de safári, contendo as iniciais do pai dos protagonistas do filme e todas numeradas. Criadas por Marc Jacobs, na época diretor criativo da Louis Vuitton, só podiam ser objetos de desejo.

              Porém Alberto Favaretto, advogado italiano, que atualmente reside em Hong Kong, grande fã do premiado diretor de “O Grande Hotel Budapeste”, criou sua marca chamada “Very Troubled Child”, obra que não por acaso inspirou o filme “Moonrise Kingdom”. Desenvolveu uma coleção fielmente inspirada nessas famosas malas. São bolsas, carteiras, enfim um set de malas completo para acompanhar os viajantes amantes de Wes Anderson a todos os destinos possíveis.

              2

              2

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

              Bolsa

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

              clutch

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

              cena do filme

              Compartilhe:

                g1

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                O outono/inverno 2015 do estilista russo Gosha Rubchinskiy, traz de volta o básico do básico da década de 90. Com uma moda masculina jovem, despretensiosa e original, Gosha trouxe de volta a dureza e simplicidade da realidade da juventude do leste europeu nos anos 80-90, propondo uma nova tendência para o streetwear masculino. Usando modelos bem jovens, de até 13 anos de idade, Gosha conta em sua coleção a reta final da URSS, um trecho decadente do bloco, como os conflitos étnicos, grande instabilidade econômica e tensões diplomáticas.

                A “falta de sofisticação” algo bem raro de ser ver nas passarelas, tornou o desfile e as peças muito mais interessantes, uma vez que os rapazes, suas feições e roupas eram tão fiéis ao tema que pareciam ter saído de um livro de história.

                Trabalhando com uma limitada cartela de cores marrom, branco, preto, vermelho e azul, Gosha recriou jeans baggy, cintura alta, amarradas por cadarços de tênis, camisetas com bandeira a russa e soviética, moletons simples, e tênis comuns com meias altas.

                Entre os cortes de cabelos, haviam os famosos “bowl cut” partidos ao meio, e os inesquecíveis “mullets”.

                g0

                 

                g2 g3

                 

                Compartilhe:

                  agender1

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                  Visando atender e superar as expectativas do seu público masculino e feminino, a Selfridges, marca inglesa nomeada o melhor comércio de luxo em 2014, investiu pesado na categoria unissex.

                  O projeto Agender, tem um objetivo muito além do marketing, seu motivo principal é social e logo, comportamental. Com a estratégia de eliminar estereótipos do que é pra quem, quem pode usar e quem não pode usar, a Selfridges declara que seus clientes devem ter uma experiência de escolher roupas e acessórios de gênero neutro, ou seja não existe o que é de “homem ou mulher”, as peças servem para ambos, dando estilo contemporâneo e um pouco andrógino aos seus clientes fashionistas. Marcas como a Commes des Garçon, Gareth Pugh e Meadhan Kirchoff também já adotaram esse conceito.

                  No entanto, a experiência de neutralidade de gênero tem prazo limitado, tendo início em março desse ano. Será a primeira loja no Reino Unido a mostrar a marca Nicopanda de Nicholas Formichetti, e conta com uma coleção cápsula da Bodymap, calçados da Underground, e uma linha de alta costura de Rad Hourani.

                  agender fusão nicopanda

                  Compartilhe:

                    b8

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                    “Um Dândi em Nova York”, nova coleção outono/inverno 2015 de Jonh Varvatos, é uma homenagem ao cantor, e astro do rock, Bob Dylan, hoje com 73 anos.

                    Espelhando-se no visual elegante do ícone e rockeiro dos anos 60, John, trouxe em pequenos detalhes para a passarela, um mix do legado musical de Dylan, e todo seu estilo em diversas fases de sua carreira, como o folk, rock, gospel, e suas fusões.

                    bob dylan press 1 .jpg

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                     

                    A influência de Dylan foi impactante no cenário musical americano, não só para seus contemporâneos, mas para as gerações posteriores também.

                    Suas fotos da época mostram uma personalidade tímida, rebelde, além de uma elegante espontaneidade, e estilo único.

                    Com uma cartela de cores em tons terrosos e preto, e baseado no estilo atemporal do músico, John recriou calças e ternos de alfaiataria com silhueta seca, sobretudos, jaquetas de couro, lenços finos folgados no pescoço, sapatos Oxford de bicos finos, e blazers com lapelas bordadas.

                     

                    b0b5b3 b4

                     

                     

                     

                     

                    Compartilhe: