A empresa de tecnologia TWare criou um casaco que oferece mais do que a proteção contra o frio para os seus usuários. A roupa, chamada de AiraWear, possui uma estrutura inflável capaz de proporcionar diferentes sensações de massagem, além de promover a correção da postura.

Por meio de um aplicativo para smartphone do AiraWear, é possível analisar a postura corporal do usuário e, dessa forma, recomendar o melhor tipo e a força da massagem. De acordo com Tan Jun Yuan, gerente de produto da TWare, a peça foi projetada para aliviar as dores nas costas que, por vezes, as pessoas sentem no trabalho – principalmente as que passam horas olhando para a tela de um computador – ou nos momentos de maior estresse.

Se você gostou da novidade, pode adquirir o seu AiraWear no Kickstarter, com previsão de entrega para janeiro de 2017.

AiraWearAiraWear

Compartilhe:

    No dia 4 de Julho de 2016, os Estados Unidos irão celebrar os 240 anos de independência do Império Britânico e, para celebrar, a marca italiana Diadora criou uma coleção de sneakers. Inspirados nas cores da bandeira americana, vermelho, azul e branco, os três tênis da coleção possuem um desses temas de cores, enquanto os cadarços são uma combinação de vermelho, branco, azul e dourado.

    O Expresso Americano Independence Pack foi feito com grãos de couro e nylon de malha, além de ser um item excelente para se usar durante a comemoração do dia 4.

    sneaker1

    sneaker2 sneaker3

    sneaker4

    Compartilhe:

      giovare

      Pensando num meio de manter organizado os objetos diários dentro das bolsas, os designers da Giovare criaram a mais nova clutch direcionada para esse objetivo. A idéia veio de uma situação que um dos próprios designers enfrentou, que estava em viagem e percebeu que seus pertences estavam desorganizados e jogados dentro da bolsa, onde até mesmo encontrar o seu par de fone de ouvidos era difícil!

      Confeccionado com grãos de couro Nappa e materiais de alta qualidade, a clutch bag possui um interior dividido por compartimentos que permitem que o consumidor, seja profissionais de trabalho ou viajantes, seja o mais criativo e organizado possível para manter seus objetos e utilitários em ordem.

      Assista o vídeo: https://www.youtube.com/watch?time_continue=136&v=J4wFhip-Tcg

      Compartilhe:

        A marca Atelier New Regime, criada em 2009, abriu a sua primeira boutique em Montreal. De estilo street wear, igual à identidade da marca, o interior da loja é praticamente todo laranja, com um dispositivo de luz em forma de tubo retangular no teto. Além das paredes, o espaço dispõe de luminárias também laranjas. A loja se encontra no bairro St. Henri e foi toda construída em aço.

        Criada pelos irmãos Koku e Gildas Awuye e Seitz Taheri, a marca canadense é empenhada em redefinir a experiência do cliente através da qualidade do seu produto, apresentação e estilo de vida. Voltada para o público masculino, a Atelier New Regime tem crescido e evoluído um movimento artístico cujo objetivo é de se expressar através da moda.

        ANR1 ANR3 ANR2

         

        Compartilhe:

          swell elements

           

           

           

           

           

           
          As garrafas térmicas S’wells passaram por uma nova e elegante reforma com o lançamento da coleção Elements. Inspirada por elementos como mármore e granito, essa nova linha apresenta detalhes excêntricos. A coleção apresenta três designs diferentes, de mármore azul, carvão com granito e mármore opala. Cada garrafa é ornamentada com alto brilho, para um olhar que separe o produto de garrafas d’água comuns.

          A S’well Bottle foi lançada no final de 2014, de estrutura feita com dupla camada de aço inoxidável, não permitindo que a temperatura exterior influencie no conteúdo dentro da garrafa. O líquido permanece frio durante 24 horas e, no caso de bebidas quentes, mantém a sua temperatura por cerca de 12 horas. O produto é comercializado no site da S’well Bottle, que faz envios internacionais, e a faixa de preço varia de acordo com o seu tamanho, custando entre US$25 e US$45,00.

          Compartilhe:

             

            bota piccadilly

             

             

             

             

             

             

             

             

            Diante das chuvas de verão que tem afetado os brasileiros, a empresa calçadista Picaddilly desenvolveu a bota city proof repelente a água para enfrentar esse período. Um produto inovador e com estilo, o bota possui uma membrana impermeabilizante localizada entre a parte externa do cabedal e o forro, que protege os pés, impedindo a entrada de água no calçado.

            Além de pensar na proteção e no bem estar da mulher em momentos de fortes chuvas ou ruas com muitas águas, a Piccadilly também pensou na aparência do produto. A bota não é diferente da aparência de um modelo convencional, principalmente para que ela também seja útil em outras ocasiões. O objetivo foi desenvolver uma tecnologia que ajudasse as mulheres que vivem em cidade de grande incertezas climáticas.

            A Piccadilly nasceu em 1955 e foi registrada em 1958. A Inglaterra foi o primeiro país fora do Brasil a receber os calçados da marca, em 1968, dando início a um bem-sucedido projeto de exportação. Em 2003 a Piccadilly lança a sua loja online e atualmente é presente em mais de 90 países. A empresa exporta seus calçados para os cinco continentes, se mantendo sempre ligada nas principais tendências internacionais e em tecnologia.

            Compartilhe:

              spfw-133-1080x717

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

               

              A era digital em que vivemos hoje em dia tem tornado tudo acessível e para todos e, por conta disso, o modelo de desfiles, focado para a indústria, não tem funcionado mais. Em fevereiro deste ano, a Burberry anunciou um novo posicionamento em relação aos desfiles de sua marca: as roupas desfiladas estarão à venda para seus clientes no fim do desfiles, tornando os fashion shows focados para o consumidor.

              O motivo dessa mudança é que as roupas desfiladas ficavam disponíveis para compra somente seis meses após elas terem sido apresentadas, postadas nas redes sociais e com os clientes desejando elas. Por exemplo: no início desse ano, foram apresentadas as coleções de Alta Costura e de Prêt-a-Porter do inverno 2017 nos principais polos internacionais da moda (Nova York, Paris, Milão e Londres), só que essas cidades ainda estão vivendo o inverno de 2016, com as suas coleções apresentadas no ano passado. E elas ainda terão o verão 2016. Com isso, a Burberry anunciou a sua mudança, visando a necessidade do consumidor, que quer possuir tudo para ontem!

              O mesmo acontece no Brasil, só que invertido. Em abril vai começar o SPFW e as outras semanas nacionais, com as tendências para o verão 2017, só que nós ainda temo todo o inverno pela frente. Por conta disso e diante dessa mudança internacional, que outros designers também passaram a adotar, o Brasil, a partir de 2017, também terá um novo calendário oficial da moda, com as edições do SPFW ocorrendo em fevereiro e em julho, sem estação específica. A próxima edição, que ocorre entre 25 e 29 de abril, já sem estação, deixará cada marca trabalhar da forma que desejar.

              O ideal é que no ano que vem as coleções desfiladas estejam nas lojas em pouco tempo, com showrooms realizados para os compradores para facilitar a distribuição e com a antecedência necessária. Este movimento, liderado pela Semana de Moda de Nova York, procura a adaptação da nova realidade do consumo, que possui o conceito “see now, buy now”.

              Compartilhe:

                AHerchcovitch

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                Moda é negócio, logística, estratégia, decisão e foco. Com Alexandre Herchcovitch aprendemos que moda não é apenas inspiração. O estilista brasileiro transitou entre as passarelas de Nova York, mercados japoneses e horários nobres globais. A trajetória em sua grife, ou até mesmo seus trabalhos em parceria com outras marcas, como a Ellus, merecem ser destacadas pela contribuição ao cenário nacional, em especial ao mercado denim.

                Em 2013, temos o seu trabalho mais recente com o denim, que foi apresentado em Nova York no evento Be Brasil. Juntamente com a Rhodia e a Canatiba, o designer lançou sua primeira coleção de jeans tecnológico confeccionado com o Emana® Denim. Herchcovitch colocou em evidência uma tendência mundial para o mercado jeanswear: o acréscimo de funções tecnológicas do denim, como oportunidade para elevar qualquer produto confeccionado no material para além do valor do mero estilo.

                Junto com esse pioneirismo, o designer levou a imagem do mercado índigo nacional, mostrando ao mundo a diversidade do território brasileiro, visto que a sua assinatura sempre teve uma pegada estruturada e underground. Essa mesma coleção foi apresentada oficialmente no mesmo ano no Fashion Rio, mas o designer continuou a utilizar o mesmo material. Em 2014, um ano depois, Herchcovitch retomou a parceria com a Ellus e colocou em evidência o valor de uma cobranding dentro de um grupo de moda, como uma estratégia para impulsionar os negócios. O resultado da iniciativa foi um mix formado por 70 modelos de moletons, camisetas e jeans com emana, reforçando a visão direcional do designer em propor interpretações ao denim que superassem a tarefa de apenas vestir.

                Alexandre Herchcovitch - Fashion Rio - inverno 2014

                Alexandre Herchcovitch – Fashion Rio – inverno 2014

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                 

                Em 2008, o paulista vendeu sua companhia para o grupo de moda InBrands, também proprietário de lojas como Ellus, Salinas e VR. Nesse período, ele continuou sendo o diretor criativo da marca até dezembro de 2015, quando o contrato terminou e não foi renovado. Atualmente, Herchcovitch tem quatro lojas próprias, desenha modelos exclusivos em seu ateliê e exporta a sua linha jeanswear para os Estados Unidos e Reino Unido.

                Fica claro, portanto, que cada estilista brasileiro que chega aos destaques internacionais se torna um patrimônio imensurável para o país, que ainda está caminhando a passos pequenos na área do design. Por conta disso, foi difícil para alguns profissionais da moda acreditarem na saída do Alexandre Herchcovitch da própria marca, anunciada na semana passada.

                 

                Compartilhe:

                   

                   

                  calçados

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                   

                  Atualmente, o setor calçadista vem apresentando certas tecnologias como calçados impressos em casa e tênis energizados ao caminhar, apesar de ser em pequena escala. No entanto, o setor brasileiro quer dar uma guinada em termos de inovação tecnológica para aplicar a manufatura avançada no segmento, tanto para o desenvolvimento de produtos recém produzidos, como os citados, como para novos produtos que estão por vir, mais sustentáveis e eficazes.

                  Em janeiro deste ano, a Abicalçados, Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, entidade que representa a indústria calçadista nacional, recebeu na sua sede, em Novo Hamburgo/RS, diversos representantes de outras agências ou associações envolvidas com couro e calçado. No encontro, o tecnologista do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), Sérgio Knorr Velho, apresentou alguns cases de manufatura avançada já existentes no setor calçadista, mas que ainda caminham a passos lentos. Segundo ele, existe um processo de “retorno para casa”, onde parte das grandes marcas vão deixar de ser menos intensivas em trabalhos manuais e mais automatizadas. “Atualmente a produção mundial está na casa dos 22 bilhões de pares de calçados, sendo quase 90% realizada na China. Boa parte dessa produção deve voltar para os locais onde é consumida”.

                  A Nike, por exemplo, está para abrir uma planta com 10 mil funcionários nos Estados Unidos e a Adidas prometeu abrir uma fábrica automatizada na Alemanha ainda em 2016. O especialista citou ainda uma pesquisa realizada em maio de 2014, onde dos 618 produtores norte-americanos entrevistados, 53% se disseram dispostos a investir em processos de manufatura avançada nos próximos anos.

                  O setor industrial brasileiro ainda se encontra muito atrasado em termos de inovação e tecnologia na produção, segundo Sérgio Knorr. Das mais de um milhão de patentes requeridas no mundo em 2015, apenas 600 foram no Brasil, colocando o país no posto de 29º entre os  demais requerentes. Em relação aos BRICS, o país se encontra à frente somente da África do Sul, sendo a China a maior do grupo, possuindo mais de 120 mil requerimentos.

                  Compartilhe:

                    silicone-braceletUma nova alternativa para se proteger de insetos foi desenvolvida nos Estados Unidos. Uma pulseira de repelente natural feita de silicone, infundida com óleo de citronela, pode proteger os seres humanos de mosquitos, moscas e pulgas por até seis dias ou 150 horas de exposição.  O produto, à prova d’água e não tóxico, vem em uma embalagem reutilizável para guardar a pulseira quando ela não estiver em uso.

                    O tipo de silicone utilizado como matéria-prima do produto foi desenvolvido especialmente para absorver o óleo de citronela e fazer com que ele seja evaporado gradualmente. No site oficial da MosquitoNo, as pulseiras estão à venda por $3,99 a unidade ou $17,99 o pacote com cinco pulseiras e são entregues sem custo.

                    Essa nova solução de repelente é perfeita para pessoas que não gostam de usar repelentes em spray ou cremes, tornando muito mais prática a sua proteção em relação aos insetos. MosquitoNo também desenvolveu adesivos infundidos com citronela que podem ser colados nas roupas, chapéus e bonés ou sapatos. Podem ser utilizados em crianças acima de três anos e possuem uma duração de três dias, além de também serem não tóxicos.

                    Compartilhe: