Movimentos inovadores no Mundo da Moda

agosto 17th, 2014 | Posted by Flávia Souza in Moda & Tecnologia

Um paradoxo interessante pode ser observado atualmente na indústria da moda; enquanto os ciclos de produção da maioria das marcas continua a diminuir drasticamente, com cada vez mais coleções em um ano, podemos encontrar líderes pavimentando inovações que mudam a maneira como pensamos sobre o consumo de roupas e até mesmo sobre tecidos. Recentemente o site pfsk falou sobre alguns movimentos dentro da indústria da moda que valem a pena ser comentados e acompanhados, que a gente mostra logo abaixo.

 

Elevando a intimidade entre Têxteis e Tecnologia | Nancy Tilbury, Studio XO

Nancy tem uma visão que engloba uma variedade de ideias e novos modelos de negócios. Ela acredita que a geração digital estaria aberta a “assinar roupas” e transformar a moda em recipiente para transmitir conteúdo pessoal e expressivo (o que ela chama de “Tumblr para o corpo”). Trabalhando em projetos como o vestido de bolha usado por Lady Gaga no iTunes Festival em 2013, o estúdio de Tilbury foi amadurecendo a forma como a tecnologia de impressão 3D pode ser usada para mesclar materiais duros e macios e como incorporar expressividade digital aos projetos.

 

Roupa Bioresponsiva que monitora o desempenho | Matt Hymers, Adidas

A combinação de tecnologia e tecidos vem em forma diferente com uma marca como a Adidas. Matt, que trabalha com o AC Milan e outros times profissionais, foca no relacionamento entre têxteis e rastreamento de dados e desempenho, o que culminou no seu produto TechFit Elite, uma camada inferior que incorpora monitores de estatísticas vitais e sensores de movimento.

 

Couture no cruzamento da Biologia e Têxteis | Suzanne Lee, BioCouture

 

No que talvez seja a mais segmentada de todas as direções futuras, Suzanne fabrica tecidos sustentáveis ​​e está muito envolvida com o conhecimento e as práticas científicas e de engenharia. Ela trabalha em estreita colaboração com a comunidade de biociências para criar superfícies similares a tecidos que crescem na forma dos recipientes que ela usa. Os seus ingredientes básicos incluem o chá verde, o açúcar, soluções ácidas como o vinagre, e cultura de arranque (leveduras, bactérias, sob a forma de um mate). Esta visão implica a necessidade de rever como os designers de moda pensam sobre suas matérias-primas antes de se ocuparem do processo de fabricação, levando gradualmente à eliminação de práticas de “velho mundo”.

 

Desacelerando a Fast Fashion | Rick Ridgeway, Patagonia

 Nosso consumo de roupas aumentou quase 50% entre 2002 e 2010. Do ponto de vista da publicidade, as marcas podem fazer muita coisa para lembrar seus clientes a pensar eticamente antes de comprar um produto. A Patagônia é uma marca que tomou uma iniciativa relativamente ousada na Black Friday através de um anúncio impresso com o imperativo: “não compre esta jaqueta” como sua manchete. O anúncio encorajou as pessoas a pensarem duas vezes antes de comprar um casaco novo da marca, e de forma mais ampla, a cuidar de suas roupas e mantê-las por um período de tempo mais longo.

A marca estimulou os consumidores a consertarem suas roupas Patagonia ou até mesmo trazê-las para a loja se eles quisessem doá-las para serem transformados em novos produtos. E mais: Rick se uniu com a start-up de DIY (faça você mesmo) iFixit para ajudar a marca a reduzir o desperdício e introduzir solicitações de consertos em seu modelo de negócio.

 

Avançando Rumo a uma Indústria de Desperdício Zero | Sophie Mather, Yeh Group

A indústria têxtil é responsável por 20% da poluição da água no mundo. Em resposta a esta complicada questão ambiental, o Yeh Group, com sede na Tailândia, desenvolveu a DryDye, uma inovação que permite que as empresas têxteis e de vestuário tinjam tecidos sem o uso de qualquer água. Embora ainda em seus estágios iniciais comerciais, DryDye representa uma inovação importante que o grupo trabalha para desenvolver, buscando pavimentar um caminho mais sustentável para a indústria da moda e vestuário.

 

 

Para quem se interessou pelo assunto, vale ainda assistir o documentário The Next Black: A Film About the Future of Clothing, feito pela empresa AEG.

Compartilhe:

    You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.